​​Homoquiralidade pela hipótese de Venturelli

Por definição, homoquiralidade é o fenômeno vital de isomeria química em que os aminoácidos constituintes das proteínas, que tenham atividade óptica, sejam todos levógiros, enquanto que os carboidratos constituintes do material genético (DNA e RNA) bem como aqueles com função metabólica principal (glicose, por exemplo) sejam todos dextrógiros.

Aqui este tema aborda os princípios de isomeria vital e os princípios de cálculo astroatômico universal, ambos pela hipótese de Venturelli (que não tem reconhecimento médico ou científico até a presente data).

Pela classificação química em geral, matéria é tudo aquilo que ocupa lugar no espaço e tem massa, sendo que massa é uma grandeza escalar que determina a inércia e o peso da matéria (grandezas físicas são as propriedades mensuráveis de um fenômeno, corpo ou substância).

No contexto relativístico em que massa e energia são equivalentes, a conceituação astroatômica de massa vem a ser o fenômeno dotado de uma força intrínseca definida pela inércia e de uma força extrínseca definida pelo peso. Quer dizer, massa é a entidade física ou química que tem peso e inércia. Sendo que matéria é a propriedade qualitativa da massa, assim como massa é a propriedade quantitativa da matéria.

1) Princípios de Isomeria Vital:

O dinamismo do equilíbrio define o princípio vital porque o equilíbrio estático é inerente à ausência de vida, seja pela inércia positiva ou negativa, por isso a interação inercial e anti-inercial é complementar, relativa e alternante.

Ou seja, o princípio vital (ápeiron ou essência vital) é o dinamismo intrínseco do equilíbrio extrínseco, sendo que quando o equilíbrio é de preponderância espacial a essência vital é de predominância temporal, e vice-versa, mas quando não há predomínio de espaço ou de tempo, ambos são espaço-temporais.

De cada ápeiron emanam fótons que variam em frequência, o que determina o espaço e o tempo complementares dos quais derivam a eletricidade e o magnetismo, bem como a gravidade e o psiquismo.

1.1) Eletrógiro dextrógiro.

1.2) Neutrógiro levógiro.

1.3) Mesógiro dextrógiro.

1.4) Mesógiro levógiro.

1.5) Neutrinógiro (mesógiro, apeironógiro ou taógiro):

a) Neutrinógiro biógiro...

a.1) Biógiro dextrógiro.

a.2) Biógiro levógiro.

b) Neutrinógiro necrógiro...

b.1) Necrógiro dextrógiro.

b.2) Necrógiro levógiro.

2) Princípios de Cálculo Astroatômico Universal:

Todo e qualquer fenômeno físico ou químico se manifesta em sistema de superposição entre um componente ondulatório e um componente corpuscular, dispostos na condição de excludente mútua, conforme descrito pelo princípio da complementaridade de Niels Bohr, de tal modo que tais manifestações tenham natureza temporal e espacial em superposição de caráter espaço-temporal (princípio da relatividade complementar ou complementaridade astroatômica).

Pelo princípio da dualidade de partícula-onda, todo fenômeno físico se propaga como onda e se detecta como partícula, de modo que o componente detectável em trajetória seja particular enquanto que o componente sem trajetória definida seja ondulatório. Por outro lado, na física quântica, em que cada grandeza mensurável vem a ser expressa por um operador, há operadores aos observáveis de espaço (entre momento e posição das partículas), mas não há nenhum operador ao observável de tempo, por isso, então, é que pela equação astroquântica, o componente elétrico ou particular é de natureza espacial enquanto que o componente magnético ou ondulatório é de natureza temporal.

2.1) Derivada, Limite e Integral:

a) Definições matemáticas(fx) dx = A

a.1) Derivada de uma função é a taxa de variação instantânea dessa função em determinado ponto, cuja interpretação geométrica é o coeficiente angular da reta tangente naquele ponto. Em outras palavras, derivada é uma razão cujo limite tende a zero.

a.2) Limite de uma função é o estudo do comportamento dessa função, nas proximidades de um ponto que não pertence necessariamente aos domínios dessa mesma função. Pode se dizer também que a definição de limite transmite a ideia de se determinar um valor através de uma aproximação infinitesimal.

a.3) Integral de uma função é a área geométrica sob uma curva dessa função. É uma soma sofisticada da matemática, mais especificamente um somatório de produto em termos matemáticos, ou seja, a integral é uma adição, um ajuntamento... uma agregação de produtos. Quer dizer, integral é um produto cujo limite tende ao infinito.

b) Definições da hipótese de Venturelli

(fx) dx = Rn (S / P) = A

Onde:

∫(fx) = integral indefinida; dx = infinitesimal de x ou diferencial de x (pequena variação de "x" pelo coeficiente angular da tangente); Rn = resultante de número quântico; S = espaço; P = constante de proporcionalidade astroatômica; A = massa atômica ou número de massa atômica...

Eletricidade é a função derivada do espaço (e, de certo modo do tempo, este como limite do potencial de dimensão) enquanto que a gravidade é a integral de espaço-tempo pela antiderivada espacial.

Magnetismo é a função derivada do tempo (e, de certo modo do espaço, este como limite do potencial temporal, como nas distância de "tempo-luz", por exemplo) enquanto que o eletromagnetismo é a integral de espaço-tempo pela antiderivada temporal.

Assim como a integral de espaço-tempo no eletromagnetismo ocorre para a velocidade, com as grandezas cartesianas de espaço e de tempo, de modo semelhante a integração espaço-temporal no gravitomagnetismo ocorre para a aceleração, com as grandezas de velocidade e de tempo no gráfico cartesiano.

2.2) Gravitomagnetismo:

A diferença fundamental entre ondas eletromagnéticas e ondas gravitomagnéticas vem a ser a velocidade de propagação das oscilações, sendo que no eletromagnetismo a velocidade de propagação do fenômeno ondulatório ocorre a trezentos mil quilômetros por segundo enquanto que no gravitomagnetismo ocorre a trinta milhões de quilômetros por segundo.

Matéria é tudo aquilo que ocupa lugar no espaço e tem massa, sendo que a ocupação de espaço pela matéria se refere ao volume, que é a extensão do espaço ocupado pela matéria, enquanto que massa é a propriedade quantitativa da matéria que determina sua inércia e seu peso.

Gravitofótons relativizam a massa sem a associação imediata de ondas eletromagnéticas, quer dizer, sem a participação direta do eletromagnetismo, pois as ondas gravitomagnéticas estão previamente em associação imediata aos ápeirons.

2.3) Grandezas Astroatômicas:

Em um contexto geral as grandezas astroatômicas são definidas em infraquânticas, quânticas e ultraquânticas, as quais três grandezas em conjunto com o tempo astroatômico (que por ser inercial é conversível em quarta grandeza) tais grandezas podem, finalmente, serem redefinidas em matéria, antimatéria (paramatéria e ortomatéria) e mais a metamatéria, sendo ainda que no grupo da metamatéria estão incluídas a mesomatéria, a intermatéria e a tautomatéria (que é a metamatéria propriamente dita).

O contexto físico-químico em que as grandezas astroatômicas podem ser redefinidas em matéria, antimatéria e metamatéria estabelece a seguinte classificação...

a) Matéria:

Matéria se caracteriza por átomos e fótons (sendo os átomos com bárions positivos e léptons negativos).

b) Antimatéria:

A manifestação da antimatéria ocorre em antiátomos e antifótons (sendo que os antiátomos podem ser considerados átomos com bárions negativos e léptons positivos).

c) Metamatéria:

O universo se manifesta na complementaridade entre espaço e tempo, pela integração vital desses estados complementares em equivalência correspondente ou relatividade complementar, sendo que cada fóton ou antifóton é uma unidade fundamental dessa complementaridade de espaço-tempo (o que resulta na proporcionalidade astroatômica, de modo que a matéria escura seja formada por bárions escuros e a energia escura seja constituída por antifótons).

Todavia, além de fótons e antifótons, há também interfótons, mesofótons e gravitofótons (ademais dos biofótons) conforme a seguinte subdivisão...

c.1) Intermatéria: É a transmutação de matéria em antimatéria e vice-versa.

c.2) Mesomatéria: intersecção entre matéria e antimatéria.

c.3) Metamatéria genuína ou propriamente dita: É a tautomatéria, a mesomatéria transcendental.

2.4) Classificação Matemática das Grandezas Astroatômicas:

Em um contexto matemático de cálculo diferencial e integral, as grandezas astroatômicas podem ser classificadas em derivada de espaço, derivada de tempo, integral anti-inercial de espaço-tempo e integral inercial de espaço-tempo, ademais da integral vital...

a) Derivada de espaço (matéria): Eletricidade...

Por derivada de espaço se define a natureza elétrica da matéria, a qual embora tenha caráter material apresenta propriedades anti-inerciais pela função derivada.

b) Derivada de tempo (antimatéria): Magnetismo...

Por derivada de tempo se define a natureza magnética da matéria, ou seja, sua imagem contrária, quer dizer, a antimatéria. A derivada de tempo, enquanto magnetismo, apresenta propriedades inerciais.

c) Integral anti-inercial de espaço-tempo (intermatéria): Luz...

A natureza eletromagnética da matéria é definida pela integral luminal do espaço-tempo, a qual vem a ser a derivada anti-inercial da força vital.

d) Integral inercial de espaço-tempo (mesomatéria): Massa...

A natureza ponderal é definida pela integral gravitacional, que é a integral inercial do espaço-tempo, a qual vem a ser a derivada inercial da força vital.

e) Integral vital (tautomatéria): Energia vital...

A integral vital é de natureza não inercial (essencial).

2.5) Corolário ao princípio da incerteza:

Em um sistema quântico simples ou entrelaçado, quando se afere o caráter ondulatório se promove o comportamento corpuscular e quando se afere o caráter corpuscular se promove o comportamento ondulatório.

a) Teorema de Ehrenfest:

Por esse teorema aquele autor demonstra que a determinação do tempo é uma propriedade submicroscópica (atomística) assim como a determinação do espaço é uma propriedade macroscópica (gravitacional).

b) Ressonância: Atributo de sistemas que vibram em uma mesma frequência...

A elementaridade vital se define em estruturas microscópicas, quais sejam, as moléculas e as células, sendo deste modo intermediária entre o mundo submicroscópico e o mundo macroscópico. Assim sendo, o princípio vital apresenta ressonância alternada entre o mundo quântico e o mundo gravitacional.

c) Aplicações homeopáticas:

O ato de prescrição e o ato de preparo das soluções homeopáticas envolvem a titulação de diluições e, portanto, de concentrações decrescentes das misturas as quais vão se tornando cada vez mais homogêneas.

Quer dizer, o cálculo das diluições é também a mensuração da diminuição do soluto em relação ao solvente, o que significa que seja um método indireto de aferição corpuscular, qual seja, o da concentração decrescente da solução.

Pelo corolário de Venturelli ao princípio da incerteza (ou princípio da indeterminação) de Heisenberg, quando se determina ou se pode determinar o comportamento corpuscular se promove o caráter oscilatório, do mesmo modo que quando de determina ou se pode determinar o comportamento oscilatório se promove o caráter corpuscular.

Com isso, quando se verifica uma diluição em homeopatia, está se promovendo o comportamento ondulatório da solução homeopática, especialmente do solvente, pela memória da água, de modo que quanto menos denso o soluto em relação ao solvente (e à solução) maior a potência medicamentosa.

c.1) Memória da água: O capítulo 13 do livro O Enigma Quântico, de Bruce Rosenblum e Fred Kuttner (tradução de George Schlesinger, pela Editora Zahar, Rio de Janeiro, 2017) à página 222 traz a seguinte expressão...

..."Em princípio, quaisquer dois objetos que tenham alguma vez interagido estão para sempre emaranhados e, portanto, o que acontece com um influencia o outro"...

Pode-se entender por "memória da água", então, o comportamento desse solvente em relação ao soluto inicialmente diluído.

c.2) Sistema emaranhado: Pelo menos dois entrelaçamentos ocorrem em uma solução homeopática...

Ocorre um entrelaçamento entre o soluto e o solvente, que envolve a memória da água, bem como o entrelaçamento entre a solução e o psiquismo, que envolve o médico em uma etapa e o farmacêutico em outra etapa.

O sistema de entrelaçamento homeopático é, portanto, bem diferente do efeito placebo o qual envolve apenas o psiquismo autossugestivo do paciente, sem nenhum tipo de entrelaçamento medicamentoso.

Assim sendo, o efeito homeopático se explica pelo entrelaçamento quântico sistêmico, enquanto que o efeito placebo se explica pela simples autossugestão do paciente.

c.3) Homoquiralidade: No livro O Mistério Quântico (de Andrés Cassinello e José Luis Sánchez Gómez, da editora Planeta-España) com tradução em Português de Sandra Martha Dolinsky pela editora Crítica (de Planeta do Brasil) editado em São Paulo, 2017; os autores explicam o entrelaçamento de fótons... Seja a página 111:

..."Embora estejamos medindo só a polarização de um dos dois fótons, o outro também adquire um valor determinado. A polarização do segundo fóton é sempre perpendicular à do primeiro"...

Extensivamente ao princípio vital, pela hipótese de Venturelli, quando se verifica uma partícula dextrógira a outra se torna levógira, e vice-versa.




Voltar ao Topo                    

 
  Site Map