Tópicos de Consultório Médico: Matéria Médica Homeopática Astroquântica...


Homeopatia é uma especialidade médica vitalista, sendo vitalismo a doutrina científica que admite uma energia (ou essência) vital na organização estrutural e funcional dos seres vivos. Conquanto que a conceituação de essência vital venha a ser complexa e abstrata, imponderável, porém, concebível e inteligível, embora seja relativa em algo subjetivo.

Matéria Médica Homeopática (MMH) por definição é uma lista de medicamentos, em que cada fármaco está associado aos respectivos sinais e sintomas tratáveis por cada um destes remédios, listados por suas propriedades medicinais, sendo que neste caso, da matéria médica astroquântica, os remédios se definem pelas expressões astroquânticas, as quais são as equações astroatômicas e astroiônicas.

No contexto astroatômico vital, ou universal, há apenas duas naturezas fundamentais ou elementares, quais sejam, o espaço de qualidade estrutural e o tempo de qualidade funcional (a natureza elétrica é derivada do espaço, enquanto que a natureza magnética é derivada do tempo e a natureza eletromagnética é derivada do espaço-tempo fundamental), mas há somente uma única natureza essencial, que é a vida.

A existência é massiva, a inexistência é temporária e a vitalidade é complementar. A estrutura sistêmica mínima da energia de um ser vivo é formada por um campo elétrico, um campo magnético, um campo eletromagnético interativo e um campo gravitacional entrelaçado (energia é a integral de espaço e tempo). Já o princípio vital tem caráter corpuscular para o campo magnético e caráter ondulatório para o campo elétrico. 

Força é a ação ou a reação existencial ou inexistencial e energia é a transformação relativa às forças de ação e de reação (enquanto que ápeiron, ou princípio vital, é a oscilação intrínseca do espaço-tempo extrínseco, inercial e anti-inercial, ou seja, o dinamismo intrínseco do equilíbrio extrínseco, o que corresponde ao pulso de onda do biofóton). Quando o equilíbrio é de preponderância espacial o princípio vital é de predomínio temporal, e quando o equilíbrio é de preponderância temporal a essência vital é de predomínio espacial.

Em 1933, Wolfgang Pauli demonstrou que a definição de um operador ao observável de tempo admite valores negativos de energia, assim, o universo se manifesta na complementaridade entre espaço e tempo, pela integração vital desses estados complementares em equivalência correspondente ou relatividade complementar, sendo que cada fóton ou antifóton é uma unidade fundamental da complementaridade espaço-temporal (o que resulta na proporcionalidade astroatômica, de modo que a matéria escura seja formada por bárions escuros e a energia escura seja constituída por antifótons). Sendo ainda, que além de fótons e antifótons, haja também interfótons, mesofótons e gravitofótons (ademais dos biofótons). Neste contexto astroatômico, massas de repouso diferentes com momentos inerciais equivalentes têm aplicações sistêmicas correspondentes.

Equações astroatômicas se referem às configurações eletrônicas de átomos enquanto que suas correspondentes astroiônicas se referem às respectivas configurações eletrônicas de íons, assim, as equações astroatômicas em geral e, por extensão, as equações astroiônicas, evidenciam substâncias, íons e elementos químicos empregados em medicamentos homeopáticos, que constam na matéria médica da farmacopeia oficial, conforme exemplificações a seguir... 

1) Exemplos pelas Equações Sintéticas:

As equações astroatômicas sintéticas tratam da síntese entre níveis quânticos, mais especificamente, entre um nível quântico antecedente e um nível quântico sucedente.

1.1) Fórmula Matemática Sintética:

S = P ( Z ) / Rn

Onde:

S = Distância das órbitas gravitacionais dos planetas ao redor do Sol (neste caso o centro solar de massa, ou o centro de massa do sistema solar, em relação à galáxia, é considerado em posição fixa, o que assim, define as órbitas gravitacionais dos planetas).

P = constante geral de proporcionalidade astroatômica e astroiônica = 100 c . s (cem vezes a velocidade da luz multiplicada por segundo) => P = (30 x 100³ km / s) x (s) sendo o tempo em segundos uma grandeza vetorial de natureza funcional, uma vez que a composição dos complexos participantes de um equilíbrio dinâmico não varia com o tempo => P = 100 c / s-¹ ou P = (30 x 100³ / s) / (s-¹).

Z = número atômico resultante a cada nível quântico, sendo que no lugar do número atômico, “Z”, pode ser empregado o número de massa, “A”, o que se viabiliza por isomeria astroatômica, que é um fenômeno físico-químico que pode ocorrer por metameria, tautomeria, fotomeria e homeomeria ou ciclomeria (isômeros astroatômicos são entidades químicas ou físicas diferentes, mas que apresentam uma mesma fórmula astroatômica).

Rn = resultante de número quântico referida ao elétron mais energético de cada camada atômica (é o somatório de número quântico principal, “n”, número quântico secundário, “L = n - 1”, e número quântico spin, “s” ou “ms” = - 0,5 ou + 0,5). O número quântico magnético, “mL”, é nulo pela inversão dos polos de espaço-tempo, embora possa ter seus valores expressos pela radiosfera plasmática (ou plasmorradiosfera) que é a condição de transmutação da massa atômica sistêmica em massa de energia plasmática transdimensional (chamada de energia escura ou energia exótica).

1.2) Aplicação Matemática Sintética:

S = P (Z) / Rn => Rn = P (Z) / S => Z = Rn (S) / P

a) Equação Astroatômica Sintética:

S1 = P (2) / 1,0 = 60 x 100³ km (Z = 2 ou A = 2 na proporcionalidade do hélio e do hidrogênio em relação à distância do planeta Mercúrio ao Sol) => medicamentos homeopáticos de radiais ácidos, como por exemplo, o remédio Acidum nitricum ou Nitri acidum (que é um fármaco muito útil ao tratamento de condições sicóticas em geral, especialmente nos pacientes que tenham biotipo nitrogenoide e constituição sulfúrica).

S2 = P (10) / 3,0 = 100 x 100³ km (Z = 10 ou A = 10 na proporcionalidade do elemento químico neônio e do elemento químico boro em relação à distância do planeta Vênus ao Sol) => medicamento homeopático Borax veneta (do tratamento de estomatites e de várias outras afecções).

S3 = P (28) / 5,5 = 152 x 100³ km (Z = 28 ou A = 28 na proporcionalidade dos elementos níquel e silício em relação à distância orbitária do planeta Terra ao Sol, sendo que aqui o níquel é referido ao núcleo terrestre de níquel e ferro, o NiFe) => medicamentos homeopáticos Ferrum metallicum (que é um fármaco indicado em alguns tipos de hemorragia e de enurese, dentre outras patologias) e Silicea terra (que é um remédio útil ao tratamento de condições, por exemplo, que pioram durante as fases de lua nova e de lua cheia).

S4 = P (60) / 7,5 = 240 x 100³ km (Z = 60 ou A = 60 na proporcionalidade dos elementos químicos neodímio e níquel em relação à distância orbitária do planeta Marte em relação ao Sol) => remédios Niccolum sulphuricum (medicamento bem indicado para o tratamento de alguns tipos de cefaleia e de dorsalgia, sendo muito útil em casos de alergia em geral) e Niccolum metallicum (que é um remédio indicado para o tratamento de alguns tipos de cefaleia e de afecções nervosas, ademais de quadros alérgicos).

S5 = P (92) / 8,5 = 324 x 100³ km (proporcionalidade de urânio e tecnécio em relação à distância do cinturão de asteroides ao Sol). Aqui, neste “contínuo quântico sintético”, há uma relação de plasma do tecnécio (Tc, Z = 43 e A = 92 a 98) com o núcleo radioativo do urânio (U, Z = 92 e A = 235 a 238) => medicamento Uranium nitricum (é um fármaco para o tratamento homeopático de diabete mélito).

OBSERVAÇÕES:

Obs. 1) Vale notar que o urânio (Z = 92 e A = 238) é o elemento químico de maior número atômico encontrado na Natureza do planeta Terra. Nos elementos químicos de elevado número atômico (Z) cada valor de número quântico resultante (Rn) deve ser considerado um pouco maior, visto que o valor real do número quântico secundário (L) em estado fundamental é ligeiramente maior que zero, o que é relevante a partir de n = 3 e Rn = 5,5 (sendo o valor real de Rn = 5,6 e S3 = 150 x 100³ km) uma vez que se “L” fosse igual a zero o elétron oscilaria ao longo de linhas retas que atravessam o núcleo.

Obs. 2) Partículas elétricas relativamente estáticas (ou em momento linear) promovem campos elétricos, enquanto que as mesmas partículas elétricas em movimento de rotação ou translação promovem campos magnéticos, de modo que os campos elétricos e magnéticos sejam complementares entre si, na admissão de suas forças inerciais. E por conseguinte à natureza semelhante, porém inversa, dessas mesmas forças inerciais, assim, seus respectivos campos eletromagnéticos, de fótons e antifótons, serão também contrários e complementares, isso em plena concordância ao princípio da equivalência correspondente (que é o princípio pelo qual as forças gravitacional e eletromagnética têm a mesma natureza espaço-temporal no contexto astroatômico).

b) Equação Astroiônica Sintética:

Sejam, então, as cinco primeiras camadas atômicas em aplicação astroiônica (isoeletrônica aos gases nobres) o que com isso se aumenta a exatidão em proporção das órbitas gravitacionais...

S1 = 30 x 100³ km (2) / 1 = 60 x 100³ km (distância orbitária geral do planeta Mercúrio, em relação ao Sol) => Z = 1 e A = 2 (hidrogênio, H => n = 1) => medicamentos homeopáticos de radiais ácidos, como por exemplo, o Fluoris acidum (tratamento de afecções vasculares, tais como hemorroidas e varizes com ou sem ulcerações).

S2 = 30 x 100³ km (12) / 3,5 = 103 x 100³ km (distância orbitária do planeta Vênus ao Sol) => Z = 12 (magnésio, Mg) ou A = 12 (carbono, C). Deste modo, os elementos químicos magnésio e carbono estão em metameria astroatômica entre si (neste caso o valor semi-inteiro de spin é referente ao carbono, n = 2, por conta de seus orbitais híbridos incompletos, levando em consideração a rotação inversa do planeta Vênus). E a aplicação pela média aritmética do carbono entre os isótopos C-12 e C-13 (ou C-14) é mais exata => medicamentos homeopáticos à base de carbono e de magnésio, tendo como alguns exemplos o Carbo mineralis para afecções psóricas, o Carbo vegetabilis para afecções sicóticas, o Carbo animalis para afecções luéticas e o Magnesium phosphoricum que é um grande remédio de dor abdominal e nevralgias (além de outros remédios e dos medicamentos homeopáticos de radicais carbônicos).

S3 = 30 x 100³ km (28) / 5,5 = 152 x 100³ km (distância orbitária do planeta Terra ao Sol) => Z = 28 (níquel, Ni) ou A = 28 (silício, Si => n = 3). O silício e o níquel são elementos que estão em metameria astroatômica entre si => medicamentos Silicea terra e Niccolum metallicum, sendo que em ambos os casos os remédios podem ser úteis em determinadas condições nervosas.

S4 = 30 x 100³ km (56) / 7,5 = 224 x 100³ km (distância do planeta Marte ao Sol) => Z = 56 (bário, Ba) ou A = 56 (ferro, Fe => NiFe). O elemento químico bário e os elementos químicos da série dos lantanídeos, em geral, são metâmeros do núcleo composto NiFe e vice-versa (NiFe é o complexo formado pelos elementos químicos níquel e ferro => n = 4) => medicamentos homeopáticos Ferrum, Niccolum e, por metameria do bário, a Baryta (assim, por exemplo, o Ferrum phosphoricum é um tipo de antiflogístico homeopático enquanto que o Baryum carbonicum, ou Baryta carbonica, é um remédio empregado com muita frequência e sucesso em amidalites crônicas e de repetição).

S5 = 30 x 100³ km (98) / 8,5 = 346 x 100³ km (distância orbitária da zona de asteroides ao Sol) => Z = 92 (urânio, U) ou A = 92 a 98 (tecnécio, Tc => n = 5) => Uranium e os medicamentos homeopáticos das séries radioativas, em geral, as quais terminam em chumbo (o Plumbum metallicum é um remédio homeopático para diabete mélito, especialmente tipo 1, enquanto que o Uranium nitricum serve mais ao diabete mélito tipo 2).

OBSERVAÇÕES:

Obs. 1) No contexto astroatômico as grandezas físicas podem ser quânticas ou não, sendo que os fenômenos ultraquânticos têm velocidades infraquânticas e os fenômenos infraquânticos têm velocidades ultraquânticas. Com isso, no referencial do espaço a força inercial é temporal, enquanto que no referencial do tempo a força inercial é espacial, por seu turno os nêutrons são os lastros de contenção nuclear que compensam a agitação eletromagnética pelos momentos dipolo, conforme o modelo da gota líquida de Niels Bohr, ou em conformidade ao modelo da gota plasmática, o qual estabelece que assim como o plasma é fotônico, o radioplasma é antifotônico e o mesoplasma pode ser mesofotônico ou biofotônico, sendo ainda que mesoplasma é a configuração de prótons e négatrons bosonificados, i.é., em arranjo de superfluido semelhante ao "condensado de Bose-Einstein" (deste modo, tanto os mesofótons quanto os biofótons são gravitomagnéticos).

Obs. 2) O isótopo H-1 (o monotério ou hidrogênio leve) é o protótipo intermaterial do revezamento eletroquântico, sendo que as captações complementares de nêutrons ocorrem em condições afóticas e após o estado continuum do quinto nível astroatômico, bem como nas correspondentes condições baroafóticas vitais, devendo se levar em conta que as forças eletrostáticas primárias e secundárias de âmbito periférico explicam as ligações químicas (respectivamente atômicas e moleculares) assim como as mesmas forças de âmbito nuclear explicam as ligações plasmáticas e bioplasmáticas...

H2O + CO2 <-- luz --> C6H12O6 + O2

Ou ainda:

H2O + CO2 + luz <--> C6H12O6 + O2 - luz

(equilíbrio dinâmico bioplasmático).

E do mesmo modo que os planetas habitados possuem uma atmosfera, os átomos pesados possuem uma radiosfera em plasma (chamada de plasmorradiosfera - Paiva Venturelli, 1995).

2) Exemplos pelas Equações Analíticas:

A modalidade de equação astroatômica que trata da análise separada de cada um dos níveis quânticos é a equação analítica.

2.1) Fórmula Matemática Analítica:

S = P ( Neˉ ) / n

Onde:

S = distância das órbitas magnéticas dos planetas ao redor do Sol (neste caso o centro solar de massa, ou o centro de massa do sistema solar, em relação à galáxia, é considerado em posição oscilatória pelo movimento orbitário do próprio Sol, o que define as órbitas magnéticas dos planetas).

P = constante geral de proporcionalidade astroatômica e astroiônica (P = 100 c . s) = 100 (300 x 10³ km / s) . s.

Neˉ = número máximo de elétrons de cada camada atômica, que é a identidade eletrônica de cada nível quântico, quer dizer, é a identidade eletroquântica a qual se corresponde ao número atômico (Z) e, por conseguinte, ao número de massa (A) pela razão direta das propriedades periódicas dessas grandezas.

Rn = n = número quântico principal.

2.2) Aplicação Matemática Analítica

S = P (Neˉ) / n => n = P (Neˉ) / S => Neˉ = n (S) / P

a) Equação Astroatômica Analítica: Neste caso o que se verifica mais é a importância da água e de seus elementos formadores nas técnicas homeopáticas (Z = 1 e A = 2 => hidrogênio, Z = 8 => oxigênio, A = 18 => água e A = 32 => gás oxigênio, O2)...

S1 = P (2) / 1 = 60 x 100³ km (proporcionalidade do hidrogênio em relação à distância da órbita magnética do planeta Mercúrio ao Sol) => elemento componente da água.

S2 = P (8) / 2 = 120 x 100³ km (proporcionalidade do oxigênio em relação à distância da órbita magnética do planeta Vênus ao Sol) => elemento componente da água.

S3 = P (18) / 3 = 180 x 100³ km (proporcionalidade da água em relação à distância da órbita magnética do planeta Terra ao Sol) => água (18 é o número de massa da água).

S4 = P (32) / 4 = 240 x 100³ km (proporcionalidade dos dióxidos em relação à distância da órbita magnética do planeta Marte ao Sol) => dióxidos são compostos por dois átomos de oxigênio e o oxigênio é um dos elementos formadores da água.

S5 = P (58) / 5 = 348 x 100³ km (proporcionalidade da série dos lantanídeos, incluindo, portanto, o promécio, ademais da proporcionalidade do ferro-níquel em relação à distância da órbita magnética do cinturão de asteroides ao Sol) => medicamentos homeopáticos a partir dos elementos cério, ferro e níquel (o Cerium oxalicum, por exemplo, é um remédio que pode estar indicado em casos de tosse coqueluchoide, vômitos, cinetose e dismenorreia).

OBSERVAÇÕES:

Obs. 1) O elemento químico mercúrio (A = 200) e a substância química água (no caso da água pesada, A = 20) são isômeros astroatômicos entre si, por fotomeria de massa, que é a fotomeria ponderal, ambos sendo naturalmente líquidos.

Obs. 2) O mercúrio aparece na MMH principalmente sob a forma de Mercurius vivus ou de Mercurius solubilis, podendo ser considerado, de certo modo e em sentido figurado, um antibiótico (ou antiviral) homeopático, por ser um dos mais importantes remédios da Homeopatia para o tratamento do luetismo e, por extensão, para a terapêutica de quadros infecciosos em geral.

Obs. 3) No estudo do equilíbrio ácido-base a ionização da água (em que a forma molecular desta substância química se desdobra em H + OH) representa a variante de isomeria astroatômica, por fotomeria funcional entre a água e o mercúrio, visto que em termos de análise estequiométrica isolada este desdobramento pode ser entendido como 2 H + O (sendo que o número atômico do oxigênio é Z = 8 e o número atômico do mercúrio é Z = 80).

b) Equação Astroiônica Analítica:

Sejam, então, as cinco primeiras camadas atômicas em aplicação astroiônica (isoeletrônica aos gases nobres) o que retifica as órbitas magnéticas para seus respectivos valores gravitacionais...

S1 = 30 x 100³ km (2) / 1 = 60 x 100³ km (distância orbitária geral do planeta Mercúrio, em relação ao Sol) => Z = 1 e A = 2 (hidrogênio, H => n = 1) => medicamentos homeopáticos de radiais ácidos, especialmente por combinações entre camadas astroquânticas, a exemplo de Nitri acidum (pela combinação entre o nitrogênio e o oxigênio, com o hidrogênio) e de Fluoris acidum (pela combinação do flúor, em sua configuração iônica semelhante ao oxigênio, com o hidrogênio).

S2 = 30 x 100³ km (7) / 2 = 105 x 100³ km (distância orbitária geral do planeta Vênus, em relação ao Sol) => Z = 7 (nitrogênio, N => n = 2) ou A = 7 (lítio, Li). O elemento químico nitrogênio e o lítio são metâmeros entre si => medicamentos homeopáticos com radicais nitrogenados, como por exemplo, o Argentum nitricum, que é um importante agente terapêutico das condições nervosas em muitos casos de ansiedade e fobias, ademais do tratamento de alguns casos de gastrite e de outras doenças.

S3 = 30 x 100³ km (15) / 3 = 150 x 100³ km (distância orbitária geral do planeta Terra, em relação ao Sol) => Z = 15 (fósforo, P => n = 3) ou A = 15 (nitrogênio-15, N). O fósforo é metâmero do isótopo 15 do nitrogênio e vice-versa => medicamentos homeopáticos com o radical fosfórico ademais do próprio fósforo (Phosphorus é um grande remédio de afecções respiratórias e hemorrágicas).

S4 = 30 x 100³ km (32) / 4 = 240 x 100³ km (distância orbitária geral do planeta Marte, em relação ao Sol) => Z = 32 (germânio, Ge) ou A = 32 (enxofre, S). Os elementos enxofre e germânio são metâmeros entre si e são metâmeros do gás oxigênio (O2 => Z = 8 x 2 = 16, A = 32 e n = 2 x 2 => n = 4)=> medicamentos homeopáticos com radicais oxigenados ou radical sulfúrico e o próprio enxofre (Sulphur é um grande remédio homeopático das afecções alérgicas)...

S5 = 30 x 100³ km (61) / 5 = 366 x 100³ km (distância orbitária geral da zona de asteroides, em relação ao Sol) => Z = 61 (promécio, Pm) ou A = 61 (níquel-61, Ni => NiFe) => n = (6 + 4) / 2 => n = 5. Deste modo, o elemento químico promécio e o núcleo NiFe são metâmeros entre si, sendo esta isomeria astroatômica um exemplo de ciclomeria, visto que há a metameria em relação ao promécio com o núcleo NiFe e há a homeomeria em relação aos lantanídeos em geral.

OBSERVAÇÕES:

Obs. 1) Levando-se em conta que o sistema atômico (que é típicoda mecânica quântica) vem a ser eletromagnético, enquanto que o sistema astrofísico (que é típico da relatividade) vem a ser gravitacional e o sistema vital é essencial, tem-se que os comportamentos distintos das cargas de natureza oposta se explicam pelo tropismo sistêmico da cromodinâmica quântica inserida na descrição clássica. Assim, neste caso inambíguo da descrição do espaço-tempo, mas em arranjos mutuamente excludentes pela incerteza, a massa pode ser considerada a qualidade existencial e a inércia sua força intrínseca (e então se faz necessária a admissão de forças inerciais, em que o tempo inercial é o peso do componente ondulatório que varia por inversão entre fótons e antifótons). As duas grandezas da inércia são a massa e a velocidade constante do movimento retilíneo uniforme, sendo a resultante o momento inercial (ou simplesmente momentum).

Obs. 2) O realinhamento das órbitas magnéticas em relação às órbitas gravitacionais, conforme as aplicações da equação astroiônica analítica, na descrição do item imediatamente acima destas observações, ocorre pela aplicação do princípio da equivalência correspondente ao princípio da complementaridade. O que isso se explica porque pelo princípio da equivalência correspondente os valores das forças materiais e das forças antimateriais, ambos, podem ser considerados equivalentes desde que referidos à correspondência eletromagnética e gravitacional do contexto astroatômico.

Obs. 3) A massa é uma integral de espaço-tempo... O espaço é de natureza inercial enquanto que o tempo é de natureza anti-inercial; eletricidade é a derivada do espaço enquanto que magnetismo é a derivada do tempo; massa bruta é a integral de espaço-tempo que confere ao espaço um caráter anti-inercial e ao tempo um caráter inercial. A integral de espaço e a integral de tempo são derivadas vitais, respectivamente em função da biomassa e do equilíbrio dinâmico. Na integração vital, todavia, o espaço readquire sua natureza inercial e o tempo readquire sua natureza anti-inercial. 

3) Posologia Ortomolecular:

Levando em conta a “regra da atomicidade”, que é relacionada ao fato de que a dose mínima tem analogia numérica ao número atômico elementar e a dose máxima tem analogia numérica ao número de massa elementar, a reclassificação dos critérios de dosagem ortomolecular divide os elementos químicos em dois grupos posológicos...

3.1) Grupo dos elementos em posologia de miligramas: Grupo do ferro...

a) Bismuto (83 a 209 mg / dia, ou aproximadamente, 80 a 200 mg / dia): Auxiliar nos transtornos digestivos, podendo ser o subgalato, subcitrato ou subsalicilato.

b) Bromo em posologia do brometo de potássio, com a regra em analogia pelo bromo (35 a 80 mg / dia): Doenças neurológicas e psiquiátricas.

c) Estrôncio (38 a 87 mg / dia, ou aproximando, 40 a 90 mg / dia): Pode participar do tratamento das doenças dos ossos. Havia disponível uma medicação registrada com o nome de Protos® em sachês com pó granulado de 2 g para dose diária de ranelato de estrôncio, para o tratamento de osteoporose, que foi descontinuada em 2018 por razões comerciais, mas para efeitos de complementar a homeopatia, vale a regra de atomicidade.

d) Ferro (26 a 56 mg / dia, ou aproximando, 25 a 55 mg / dia): Correlacionado ao tratamento de doenças da medula óssea.

e) Iodo em posologia do iodeto de potássio, com a regra em analogia pelo iodo (53 a 127 mg / dia, ou aproximadamente, 50 a 130 mg / dia): Referido ao tratamento de alguns casos de crise tireotóxica ou na prevenção de câncer da tireoide em situações de desastre radioativo.

f ) Magnésio em posologia do cloreto de magnésio, com a regra pela analogia por ambos os elementos, 12 + 17 = 29 e 24 + 35 = 59 (30 a 60 mg / dia) ou senão, ainda melhor, com analogia pelo magnésio (12 a 24 mg / dia, ou aproximadamente, 10 a 25 mg / dia): Auxilia no tratamento da hipertensão arterial sistêmica.

g) Zinco (30 a 65 mg / dia, ou aproximadamente, 30 a 60 mg / dia): Auxiliar no tratamento dos problemas relacionados ao metabolismo da glicose.

3.2) Grupo dos elementos em posologia de microgramas: Grupo do cobre...

a) Cobre (29 a 64 mcg / dia, ou aproximadamente, 30 a 60 mcg / dia): Adjuvante no tratamento de doenças do sangue (anemia e leucopenia) e do sistema endócrino (infertilidade e hipotireoidismo).

b) Cromo (24 a 52 mcg / dia, ou aproximando, 25 a 50 mcg / dia): Auxiliar na terapêutica dos distúrbios do metabolismo da glicose e das lipoproteínas.

c) Manganês (25 a 55 mcg / dia): Doenças ortopédicas e reumáticas (osteoporose e artrites, por exemplo).

d) Molibdênio (42 a 96 mcg / dia, ou aproximando, 40 a 100 mcg / dia): Ajuda na prevenção de cáries e de algumas formas de câncer.

e) Selênio (34 a 79 mcg / dia, ou aproximando, 35 a 80 mcg / dia): Auxiliar no tratamento de doenças nervosas.

f ) Vanádio (23 a 51 mcg / dia, ou aproximando, 20 a 50 mcg / dia): Adjuvante na terapêutica de transtornos do metabolismo dos carboidratos.

g) Vitamina B12, dosagem em termos de cobalto pela regra de atomicidade (27 a 59 mcg / dia, ou aproximadamente, 30 a 60 mcg / dia).

4) Bibliografia: Esta referência bibliográfica (a seguir) pode ser pesquisada na Biblioteca Nacional... 


Venturelli, Paiva. – Dinamização in Vivo. Joinville, Editora Letra Médica, 2004.

Venturelli, Paiva. – Teoria Bioquântica Astro-Atômica. Pouso Alegre, Editora Sul das Geraes, 1995. 

 
  Site Map